Tag Archives: amor

Ãm? Aaaaaa… 2013!

19 dez

Gente, estou em dívida com vocês que sempre acompanham o blog, mas tirei um tempinho pra fechar 2013 com algumas delicadezas que o ano me proporcionou. Então, decidi pontuar essa declaração do SER materno que me toma:

1. 2013. Não começou fácil e ninguém disse que seria, apesar da novela mostrar as mães super arrumadas, em saltos tamanho 15, com maquiagem até no calcanhar e massagistas à disposição.

2. Choradeira. Foi tempo de desmame, escolha da escola, adaptação na escola (minha e dela, mais minha na verdade), volta ao trabalho, adaptação da volta ao trabalho e a incrível capacidade de pensar em mil coisas ao mesmo tempo e esquecê-las em segundos.

3. Ãm? Nunca precisei tanto de uma agenda como preciso hoje. Memória por aqui parece bola de sabão (brinquedo preferido da julinha) aparece linda e quando você vai tocar já sumiu!!!

4. Fase dos dentes. Aquela babaceira, esfrega esfrega, frutinhas geladas, perda de apetite, febre, noites agitadas e agora lá vem a pontinha de cada molar. E você se pega radiante ao ver a evolução da sua cria nem que isso te custe toda paciência do mundo e uma mordida no braço.

5. Aaaaa, as palavras. Aqui em casa tem dias que a Jú parece um papagaio. “Mamãe” até desisto de contar porque não dou conta de acompanhar. Às vezes acho que ela só sabe meu nome. Aí vem o papai, tati, bubi (bruna), bia, vovó, vovô, boboeta (borboleta), auau, tinhamUUUU, cacaco (macaco), beão (leão)… até chegar no famoso “papaiel” (Papai Noel) e outras que só a gente entende.

6. Agora inventou de formar frases (de duas palavras) e cantar. Não, não exite mais nada nesse mundo que seja tão lindo como a voz de uma criança, tão suave quanto seu tom, nem tão irradiante quanto sua delicadeza. Eu fico sem ar.

7. Cheiro. Sim, ela me pede pra dormir em nossa cama toda noite, pontualmente 3h da manhã. Eu levo. Quando não faço isso pra eu dormir mais à la vonté, sinto saudade. Criação com apego, a gente vê por aqui!

8. O primeiro passo. Esse foi eletrizante! Meu Deus como somos ansiosas. Não usei andador e deixei minha filha em seu próprio tempo. Assim como o primeiro homem a pisar na Lua em 69 ganhou repercussão, a Júlia deveria ter o mesmo mérito por ser a primeira criança a pisar no meu coração. Que fique claro que o sentido pisar não é o de machucar, mas toda mãe sabe o tantooooo de aflições que sofremos quando começam a caminhar. São kamikazes.

9. Doces e travessuras. Ela é o doce mais açucarado que você pode imaginar. Ela adora beijos, abraços, mãos dadas, conchinha, colo, rosto colado. No banho faz questão de passar o creme no meu cabelo e só por isso é diversão garantida.

10. Ritmo. Dança de um jeito que abaixo o queixo e viro a cabeça pro lado, só namorando aquele instante. Ela faz a sua dança. Estende os braços, balança o ombro, roda a saia e por fim se abaixa. A música termina e ela se aplaude! Tem dias que não sei quem está mais empolgado. Parecemos artistas e o público somos nós. Eu, papai e Julinha. E tenho certeza que somos o público preferido dela. E eu a fã número 1.

Por fim. Tem mais, bem mais. Mais detalhes, mais saudade, mais gosto, mais cabelo crescendo, mais limites, mais chamego, mais manhas, mais sol, mais música, mais história, mais vontade, mais independência, mais amor.

Eu só posso dizer que ainda não sei o que são noites inteiras de sono. Que dar limites também cansa e que apesar de tudo o que nós, mães, passamos com nossos filhos, na alegria e na doença, nas novidades e surpresas, tudo é recompensado com aqueles olhos brilhantes e cheios de vida ansiosos por nosso colo e um longo passeio no parque, com direito a sorvete de casquinha, melado no cabelo e roupa lambuzada.

De todos os amores esse é o que me toma, sufoca e transborda. E confirmo que a melhor parte da minha história começou a partir de 14.04.2012. A minha verdadeira herança.

Feliz Papaiel!!!!!

vida

vida

Ansiedade X “curte muito cada momento porque voa”

2 set

Escuto desde a gestação a mesma frase: “curte muito cada momento porque voa”. É tão verdade que eu virei uma daquelas chatas que repete isso para as amigas também. Na verdade, talvez eu nem precisasse ter escutado tanto. Vou contar:

Vejo algumas amigas dizendo que não aproveitaram tanto o primeiro ano de vida do bebê pelas ansiedades que as rodeavam. Ver logo o bebê sentar, engatinhar, comer, andar, falar… Não nego que “falar” sempre foi uma grande expectativa pra mim. Mas quanto ao resto, deixei fluir naturalmente. Nunca fiz questão de acelerar o tempo ou a fase da minha filha pra nos surpreender. Nunca desejei que ela se alimentasse com pedaços grandes de comida antes da hora certa dela. Também não forcei que caminhasse, apesar de algumas pessoas pentelharem com comentários : – nossa, minha filha começou a andar com 10 meses.  –  ela ainda não anda?  – mas você treina ela? blá blá blá…

Sempre fui o exemplo da ansiedade em pessoa. Meus amigos me conhecem e sabem disso. Minha família então… Sempre quis tudo pra ontem. Imagina então quando inventei de fazer pintura em tela! Era tinta a óleo e precisei treinar muito a paciência nesse curso, mas desisti. Pintei só umas 3 telas. A minha professora, já senhorinha, ria de mim com as outras senhoras que também faziam o curso. Sim, eu tinha 20 anos e elas acima de 60 hehehe  (quem não sabe, tinta a óleo demora pelo menos uma semana pra secar e tem que ser feito em partes). Eu adorava me meter nessas coisas. Terminei a faculdade de jornalismo em 2001, já me meti numa pós graduação em gestão de pessoas e em seguida um MBA em Mkt. No meio disso eu trabalhava em dois empregos, vendia chocolate em caixinhas que eu personalizava, brincos que eu produzia e perfumes do Contém 1G, lembram deles? ehehehhe

Pois é! Não conseguia parar e queria ver tudo acontecer. Os anos passaram e com eles muitas dessas vontades. E foquei apenas no profissional. Passaram mais alguns anos…

Aí nasceu minha filha, ou melhor, renasceu a minha vida.

Como já contei por aqui, ela foi direto para UTI Neonatal. E a ansiedade (essa danada que cega muita gente) disparou na minha frente. No primeiro dia, após cessar o efeito da anestesia, voei para a UTI e passei o primeiro dia falando para minha filha: – meu amor, a mamãe te ama muito, estou te esperando aqui e doida pra te abraçar. Força!

no segundo dia repeti: – meu amor, a mamãe te ama muito, estou te esperando aqui e doida pra te abraçar. Força!

Fui para a capela da maternidade orar e pedir saúde ao meu anjinho. Até que me veio uma luz que mudou tudo:

– Rejane, por que você está pedindo para ela ser forte? Tenha calma, ela precisa desse tempo para se fortalecer. Entra nesse tempo com ela e, simplesmente, diga que a ama.

Disparei (não sei como) para a UTI, troquei minhas roupas, lavei a mão, fui até ela e disse:

– meu amor, me perdoa. não precisa ser forte. eu te amo muito e estarei aqui te esperando até você estar prontinha pra ficar com a mamãe.

Aprendi assim, desde o início de seus dias, a não ser ansiosa com minha Júlia. Desde o primeiro momento que a segurei, até hoje, eu amo zelar, cheirar, olhar, apreciar, brincar… E quando alguém me diz que sentirei saudades… eu já tenho certeza disso. Porque amo cada instante, cada mudança, cada desafio e até mesmo suas manhas.

Vou ser para sempre a amiga chata que diz: curte muito porque passa rápido.

Porque passa. Mas eu continuo curtindo, cada vez mais!

184334_484789491577727_851933772_n

Não bato, mas grito!

18 mar

Amigas e amigos, depois de meeeeses sem postar, voltei! Tb voltei com tudo ao trabalho, mantendo minhas atividades de casa, meu bebê, marido e tudo mais! Dá pra entender pq demorei a postar né?

Volto com essa matéria que achei sensacional da revista Crescer sobre atitudes que podem prejudicar os filhos eternamente:

O GRITO: É um tipo de abuso que não deixa vestígios físicos visíveis. No entanto, danifica a autoestima da criança. 

Não bato, mas grito. Para o psicólogo espanhol Guillermo Ballenato, autor do livro Educar Sin Gritar(Educar Sem Gritar, ainda sem previsão de lançamento aqui no Brasil), a reação dos pais focada em gritos virou uma forma de os pais se comunicarem com os filhos, e isso apenas danifica a autoestima da criança. Leia abaixo a entrevista exclusiva para CRESCER:

CRESCER: Quais são os valores básicos da educação?

Guilhermo Ballenato: Em uma sociedade tão complexa e competitiva, a educação com base nos valores tem um papel essencial, porque são os pilares que permitem que o ser humano viva em sociedade. Os três considerados por mim fundamentais são justiça, respeito e solidariedade. Esses três fazem com que o desenvolvimento da criança seja mais equilibrado, dá mais confiança para elas e legitima a autoridade dos pais e educadores. Outro ponto importante é o diálogo com a criança com base na escuta e na sinceridade. Uma relação afetiva garante segurança, permite a troca emocional e enriquece.

C.: E como os pais podem demonstrar autoridade?

G.B.: A autoridade deve ser reconhecida baseada no exemplo, no diálogo e no reconhecimento, não no castigo ou nas críticas. Por isso que eu digo que a tarefa de educar é um desafio estimulante que ainda está para ser descoberto por muitas pessoas, especialmente os pais, educadores.

C.: Você acredita que o grito virou a nova surra? Por que isso é um problema?

G.B.: Os gritos tornaram-se, infelizmente, uma forma bastante comum de “educar” as crianças. É um sintoma de insatisfação consigo mesmo e o reflexo de uma sociedade. Por isso, é tão urgente rever as nossas prioridades, sejam elas o trabalho, bens materiais, família… Contribuir para uma sociedade melhor, mais justa, mais solidária deve ser a missão de uma vida inteira e a educação é a maneira ideal de fazer isso. Quem não tem tempo para gastar com seus filhos enquanto eles são jovens deve saber que os anos não vão voltar e não podemos recuperá-los. Os gritos são um mau exemplo e a conduta de vida do adulto educa tanto ou mais que a palavra. Alguns pais usam o grito como uma rotina para se comunicar com as crianças. Isso é um tipo de abuso que tem consequências.

C.: Como o que, por exemplo?

G.B.: Os pais gritam por falta de paciência, pela sensação de impotência, pelo medo de perder a autoridade, porque eles sentem a distância psicológica apesar da proximidade física com a criança. Só que os gritos fazem com que percamos a autoridade. Se tivermos a razão, perdemos pela má educação. É um tipo de abuso que não deixa vestígios físicos visíveis. No entanto, danifica a autoestima da criança. E muitos pais acabam se sentindo culpados. Devemos acreditar que é possível educar sem gritos. Para fazer isso, temos de desenvolver nosso autocontrole. Não podemos ensinar as crianças a controlar suas emoções, se nós próprios não somos capazes disso.

 C.: Os pais se sentem culpados por não passarem o dia todo com os filhos por conta do trabalho. No entanto, também estão mais cansados e explodem com mais facilidade. Como administrar tudo isso?

G.B.: Vivemos em uma sociedade com muitos pais exaustos e crianças que se sentem sozinhas. Para amenizar essa situação, é necessário criar algumas estratégias para não acabar gritando com as crianças nos momentos mais tensos do dia. E devem ser adaptadas caso a caso. Volto a dizer que, para algumas famílias, talvez a saída seja melhorar a comunicação para prevenir e resolver conflitos. E isso requer paciência e exige coerência no que se diz às crianças. Os pais devem mostrar autocontrole, exercitar a paciência, aprender a contar até dez antes de falar, ouvir sem interromper, evitar dar sermões… Parece, mas não é complicado. E os efeitos são tão benéficos que vale a pena colocá-los em prática. Outro ponto que conta muito é o nível de satisfação pessoal dos pais. Pais mais felizes tendem a transmitir esse bem estar nas relações com os filhos.

C.: Como agir para garantir uma educação de sucesso?

G.B.: Devemos usar a empatia, senso comum e o diálogo. Buscar a razão e explicar, mas também ouvir e ser flexível. Essa história de que rotina estraga é mentira. Criança precisa de regras, elas são necessárias para a convivência e devem ser estabelecidas desde o início e fazê-las respeitar. Muitas crianças estão pedindo para ter regras claras. A falta de normas gera confusão e insegurança nas crianças. No futuro, eles vão viver em uma sociedade que exige o cumprimento das leis e precisam se acostumar! O mais importante é que devem ter sentido e devem ser proporcionais, não definidas de forma arbitrária. A flexibilidade na exigência do cumprimento deve ser gradual. Inicialmente, é melhor ser rigoroso, coerente e consistente.

ain q dó

foto de banco de imagens, q dó né?

Espero que tenham gostado, bjooos!!!

Preparada?

19 out

Seja bem-vindo João Otávio!

Escuto quase todo mundo dizer que para ter filhos precisa melhorar a situação financeira e, principalmente, estar mais preparado para o papel de pai ou mãe (já pensei assim).

Uma amigona minha, recentemente, descobriu a gravidez! Está uma gestante lindona e brilha como o sol. É uma delícia ouvir as histórias dela e as preocupações atuais (básicas de toda mamãe de primeira viagem).

Ela escreveu sobre a gestação, os preparativos da vida, sensações e como está preparando-se para ser mãe! Olha aí:

Prepare-se

Se você está pensando em engravidar em breve, permita-me um conselho
– e  acostume-se com eles, afinal todo mundo tem uma super dica para
as grávidas: prepare-se.
Prepare-se para os enjôos, seios inchados, cansaço extremo,
esgotamento físico e noites mal dormidas. Prepare-se para as mudanças
repentinas de humor, o choro fácil, a irritação por nada, o riso à
toa, a carência e a vontade de fugir pra uma ilha deserta – tudo isso
no mesmo dia.
Prepare-se para as mudanças na alimentação, para deixar de comer
coisas que ama e amar coisas antes impensáveis. Prepare-se para os
desejos estranhos e para comer as comidas mais gostosas da sua vida:
nada é mais delicioso do que aquilo que você deseja quando grávida.
Prepare-se para sentir um misto de preocupação, medo e angústia, e
por se sentir completamente responsável por alguém que você ainda nem
sabe direito como é. Prepare-se para cuidar e educar uma criança – e
para todo o peso que isso carrega.
Prepare-se para questionar seus valores, criticar outros pais e
descobrir, no minuto seguinte, que você não tem a menor idéia da
“encrenca” que está se metendo. Prepare-se para relembrar sua
infância, entender melhor as preocupações de seus pais e querer fazer
qualquer coisa para cuidar e proteger seu bebê.
Prepare-se para se emocionar. Você vai se emocionar quando ler
“positivo” no exame de gravidez, vai se emocionar no primeiro
ultrassom ao escutar um coraçãozinho muito minúsculo batendo dentro de
você. Vai se emocionar em todos os outros ultrassons sempre que vir o
quanto seu bebezinho cresce. Vai se emocionar quando souber o sexo e
decidir o nome. E em todas essas vezes, você vai chorar.
Prepare-se para ser mimada, muito mimada. Prepare-se para todos os
cuidados –  muitas vezes excessivos – de todos ao redor. Prepare-se
para se descobrir iluminada, e ser ao mesmo tempo mais paciente com as
limitações de quem você ama.
Prepare-se, sobretudo, para um amor que você antes desconhecia
completamente. Prepare-se para amar seu bebê mais do que qualquer
coisa no mundo, para amar mais o pai da criança a cada minuto, para
amar a família que está construindo. Prepare-se para um amor que não
caberá em você.
E, depois de tudo, prepare-se para descobrir, todos os dias, que você
não se preparou o suficiente.

fonte: texto de Jully Fernandes, mãe do João Otávio.

Bebês: As quatro crises do crescimento

20 jul

Li esta matéria e achei muuuuuito importante compartilhar com vocês (afinal, informação nunca é demais para nós). Muitas vezes achamos que nossos babys estão com algum problema de saúde, quando na verdade é só uma crise que dura algum tempinho. Aqui não tem fotos da Juju chorando. Estou tentando registrar esse momento crise de beicinhos lindos e berrinhos doloridos.

Paciência, amor e carinho são as palavras chaves, sempre!

Seu filho enfrenta problemas para dormir,  se alimenta mal e anda agitado? Calma. Pode ser que ele esteja apenas atravessando uma crise comum à fase em que se encontra. (Por Manuela Macagnan – via Bebê Abril)

Primeiro trimestre: período simbiótico

Como começa a crise do primeiro trimestre?

A chegada aos 3 meses é um momento tão marcante que alguns autores falam de dois nascimentos: o biológico, que é o dia do parto, e o psicológico, que acontece quando o bebê completa 3 meses. Esse primeiro trimestre de vida é o que se chama de período simbiótico. “Para a criança, mãe e filho significam uma única palavra ‘mãefilho’. É assim que ela entende: como se fossem uma única pessoa”, diz, brincando, Leonardo Posternak, pediatra de São Paulo. A partir dos 3 meses, o bebê passa a olhar no olho da mãe, começa a se divertir, imita alguns gestos. Ele começa a sentir que a mãe não é só um bico de peito e, assim, começa a construir a imagem do outro.“É nesse período que a criança percebe que não está enroscado no tronco da árvore – que é a mãe. Ele está perto da árvore. Entende que precisa chamá-la para ter o que necessita – leite, colo ou fraldas limpas. Nessa hora, bate a ansiedade. É como se ela pensasse: ‘E agora? E se eu chamar e ninguém escutar? E se esse outro vai embora, o que eu faço?’ É aí que começa a crise”, explica Posternak.

Como saber se o filho está passando por uma crise?

A melhor maneira é ouvir o pediatra. “Algumas mães chegam ao consultório reclamando que há três dias o filho estava ótimo e, de repente, não quer mais mamar e tenta se afastar quando elas dão o peito. Outras reclamam que o bebê estava dormindo bem, mas, depois dos 3 meses, isso mudou. Ele acorda várias vezes chorando”, diz Leonardo Posternak, pediatra de São Paulo. “Há ainda as mães que reclamam que o bebê fica agitado sem motivo. Não quer ficar no colo, no berço, no bebê-conforto. Parece não estar confortável com nada que é oferecido”, continua. As queixas normalmente são parecidas e o seu pediatra saberá dizer se o bebê está com algum problema de saúde ou atravessando uma crise.

Quanto tempo dura a “crise do fim do período simbiótico”?

Essa crise dura em torno de 15 dias.

Nesse período, os bebês precisam ser medicados?

Não. Quando a criança atravessa uma crise, é muito importante que ela não seja medicada. “As mães sempre chegam ao consultório achando que a razão do desconforto tem algum aspecto orgânico: cólica, falta de leite, dente nascendo. Então explico que se trata de uma crise, um momento excelente para o crescimento”, ensina Leonardo Posternak, pediatra de São Paulo.

O que os pais devem fazer durante a crise?

Eles devem ficar calmos e entender que esse período vai passar. “Conhecendo os sintomas, os pais precisam dominar a ansiedade para que a criança não tenha que atravessar esse momento complicado num ambiente angustiante. Lembre-se de que o seu bebê precisa passar por essa crise para poder crescer”, explica o pediatra Leonardo Posternak, de São Paulo.

Entre 5 e 6 meses: formação do triângulo familiar

Como começa a crise da formação do triângulo familiar?

Por mais que o pai tenha sido presente e ativo desde o nascimento do bebê, ele não teve uma relação tão simbiótica com o filho. Isso se dá por inúmeros motivos. Até mesmo porque ele não dispõe dos meses de licença-maternidade para ajudar nessa proximidade. Então, por volta do sexto mês de vida, o bebê, que já conhece a mãe, começa a reconhecer a figura do pai, dando início à formação do triângulo – e da crise.

Que sintomas a criança apresenta nessa crise?

“A criança tem um pouquinho de transtorno do sono, e o apetite diminui um pouco”, diz o pediatra Leonardo Posternak, de São Paulo. Mas essa crise costuma afetar mais as mães do que os bebês. “Nessa fase, a mãe se dá conta de que, para o filho ser saudável e feliz, ele precisa ter uma relação triangular e não uma relação de cordão umbilical com ela. Afinal, ninguém quer que o filho seja dependente a vida toda. É necessário que alguém corte essa simbiose. E esse é o papel do pai”, explica Posternak.

Com 6 meses, nascem os primeiros dentinhos. Essa etapa se confunde com a crise?

“Sim. Às vezes, isso acontece. As duas fases se confundem porque a dentição incomoda, dói e torna a criança aparentemente mais agressiva”, explica o pediatra Leonardo Posternak, de São Paulo.

Oito meses: separação ou angústia

Essa crise acontece sempre no oitavo mês?

Não exatamente. Essa é a crise do terceiro trimestre. “Embora seja incomum, algumas crianças começam a dar sinais da crise com 6 ou 7 meses. Outras mostram sintomas de angústia com 9 meses. Mas na maioria dos casos isso acontece mesmo no oitavo mês”, explica o pediatra Leonardo Posternak, de São Paulo.

Por que os pediatras dizem que essa é a crise mais significativa de todas?

“Porque essa é a que dura mais tempo e o transtorno do sono é muito acentuado: a criança pode chegar a acordar 15 vezes durante a noite, desperta muito assustada, com um choro intenso. Alguns pais ficam tão assustados que pensam que a criança caiu do berço porque é um choro diferente, desesperado”, esclarece o pediatra Leonardo Posternak, de São Paulo.

Quanto tempo dura a crise da angústia?

Demora um pouco mais que as outras: três ou quatro semanas.

Os pais devem levar a criança para dormir na cama deles?

O ideal é que o bebê durma no seu berço ou carrinho desde os primeiros dias de vida. “Dormir na mesma cama se dá mais por ansiedade dos pais do que por necessidade dos bebês. E os pais não dormem tranquilamente, pois ficam com medo de sufocar o bebê. Sem contar que isso pode ocasionar um afastamento na vida conjugal”, explica Ana Paula Cargnelutti Venturini, mestre em psicologia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Além disso, segundo Ana Paula, a prática pode levar a criança a ficar muito dependente dos pais, buscando uma atenção cada vez maior.

Nessa fase, quando a criança chora de madrugada, é a mãe quem deve atender?

De preferência, sim. O pediatra Leonardo Posternak explica a razão: “Na fantasia do bebê, ele acha que, quando a mãe apaga a luz e fecha a porta, não volta nunca mais. Então, se ele chora durante a noite e é atendido pelo pai ou pela babá, acredita que a mãe não voltará mesmo”. A criança precisa passar por isso para ir entendendo que a presença da mãe pode ser seguida de ausências. “Nessa fase, é oportuno que não ocorram trocas dos cuidadores. Além de acordar assustado, o bebê pode reagir à presença de estranhos, chorando ou estranhando o colo”, reforça Ana Paula Cargnelutti Venturini, mestre em psicologia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. “A mãe deve tentar acalmá-lo no próprio berço para não alterar substancialmente sua rotina”, ela sugere.

Quais os sintomas da crise da angústia?

Basicamente os mesmos das outras crises: alteração do sono, perda de apetite e agitação. “O sono é o que mais perturba. Além disso, a criança come muito mal, pior do que nas outras fases. E às vezes faz até pequenas greves de fome”, comenta o pediatra Leonardo Posternak, de São Paulo.

Qual a importância do objeto de transição nessa fase?

Nesse período de angústia, a criança começa a se apegar a algum objeto: pode ser um paninho, uma chupeta específica, um brinquedo. “Esse objeto representa a mãe, e é bom que ela brinque com o ursinho, por exemplo, que dê beijo, que deixe nele o seu cheiro. Isso vai ajudá-la a entender que à noite as coisas não desaparecem. A mãe pode sumir, mas o objeto continua ali e vai estar com ele quando acordar. Isso ajuda a criança a entender que esse afastamento não é uma perda”, ensina o pediatra Leonardo Posternak, de São Paulo.

Como ajudar a criança a escolher o objeto de transição?

Os pais não precisam se preocupar em estimular a escolha, que é feita naturalmente pelo bebê. “É importante que o objeto resista às agressões da criança e que ela mesma o reconstrua. A mãe não deve lavá-lo nem tentar consertá-lo”, explica Ana Paula Cargnelutti Venturini, mestre em psicologia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

1 ano: ambivalência/dependência/independência

Como é a crise do primeiro ano?

Esse período coincide com o andar: a criança quer caminhar, quer ser independente, mas ainda precisa de colo. “Ela já se sente capaz de explorar o ambiente, já abre gavetas, tira todas as roupas de dentro, mas ainda não vai muito longe da mãe. A crise se dá por essa vontade de ser independente e a necessidade de ser, ainda, dependente.”

Quais são os sintomas dessa crise?

“As mães chegam ao consultório reclamando que a criança começou a acordar à noite, a não comer e a ficar muito agitada durante o dia”, diagnostica o pediatra Leonardo Posternak, de São Paulo.

Os pais devem estimular a criança a caminhar?

Estimular, sim, mas jamais forçar. “O cérebro e as pernas ainda não estão combinados. Ela quer, porém não consegue, e isso gera angústia. A criança deve caminhar quando ela achar que pode”, alerta o pediatra Leonardo Posternak, de São Paulo.

Como as mães devem lidar com as crises?

“Não existe uma receita ideal. Como todo relacionamento, é preciso adaptação, tranquilidade e equilíbrio, além de um ambiente saudável e acolhedor. Essas fases podem ser difíceis, mas são extraordinárias e marcantes”, finaliza Betina Lahterman, pediatra da Universidade Federal de São Paulo.

 

Amigas que inspiram!

19 jun

Nada como ter amigas que passam pelo mesmo que nós durante a gestação e criação dos pimpolhos. Eu tive a sorte grande de ter muuuuuitas amigas que recentemente ganharam seus babys e outras gravidinhas como eu.

A verdade é que, quando engravidamos, entramos para o círculo das mães. Nos tornamos amigas sem conhecer ou fortalecemos o vínculo com quem já conhecemos. E tudo que a gente mais faz é compartilhar momentos e histórias de todas essas fases de mamãe.

Assim sendo, surgiu o convite de uma amiga linda e queridíssima, Bia Mendes, para fazer parte do seu blog e postarmos juntas. O blog AGORA SOU MÃE é super badalado, lido, recomendado e com posts interessantíssimos para nós todas. Até mesmo para quem quer apenas entender como é a vida de uma mãe de primeira viagem. Não deu certo. Em meio a tanta correria, ela com o Dudu recém-nascido e eu com a minha canseira e enjoos da gravidez.

Criei este no final da gestação e a minha inspiração foi o blog da Bia:  Agora Sou Mãe. Eu não poderia deixar de falar sobre ele. A Bia sempre posta artigos muuuuuito bacanas.

Adoro quando ela “fala” sobre o dia a dia com o baby Dudu (fofo, lindo, gostoso) e a família. Ou, então, quando fala sobre os produtos que usa no baby e dão certo, como no post Produtos que o Dudu usa! Outro post – que me fez chorar e rir ao mesmo tempo – foi sobre o “cheirinho” do Dudu que a levou ao desespero: O procurado. Tadinhoooooo, partiu meu coração. Mas também aprendi que preciso ter outros em mãos e em casa para situações emergenciais.

– Para ler os posts é só clicar em cima dos títulos.-

Eu recomendo do início ao fim. Aaaaa, e tá rolando uma promoção fofa pelo aniversário de um ano do blog! Até eu estou participando eheheh (adoro uma promoção), é só clicar aqui: 1 ano de blog + sorteio kit enxoval.

Amiga através do blog, com certeza, você vem ajudando muitas mamães e eu vou ficar sempre espiando, afinal,

AGORA SOU MÃE!

bjinhos especiais pra vc amiga!

O amor chegou mais cedo!

6 maio

Estou de volta amigas, leitores e mamães. Vou fazer um pequeno resumo do que aconteceu e compartilhar, com aqueles que entendem ou não, o susto no dia que a Julinha nasceu e essa sensação doida de ser mãe. Mãe tem poder!

Até então, book de gestante marcardo para 16 de abril, afinal, Júlia nasceria dia 21 de maio, mas resolveu passar o dia das mães coladinha em mim. Quadrinho do quartinho por fazer, lembrancinhas da maternidade para encomendar, malinha do bebê para arrumar, pijamas para comprar, mosquiteiro para chegar… e antes de tudo isso, lá vem ela, gordinha, espertinha, linda de viver…

A notícia

Era uma sexta-feira quando me senti desconfortável o suficiente para ir até a maternidade falar com o médico. 1h do dia 14.04 o médico pegou a chave da Materno Fetal e fez o ultra. A bolsa tinha rompido. Como? Até agora não sei nem quando, nem como. Fui para o parto de emergência. Eu e o Rafa tremíamos como crianças pequenas perdidas dos pais, como se tivéssemos sido abandonados no deserto de Saara. Quando o médico falou que eu não poderia mais sair da maternidade de jeito nenhum eu já estava soluçando e pensando “Meu Deus, ainda falta um mês e meio para minha filha nascer, e agora?” E as coisinhas dela? E o soluço era mais alto que qualquer barulho ao redor.

O médico falou: “Mãezinha, você tem que ficar. Avisem os avós. A Júlia tem 34 semanas e está grande e forte. Se ela chorar ao nascer, vocês, papai e mamãe, poderão vê-la, se não chorar, vamos levar imediatamente para UTI NEO.”

Todos muito amados e atenciosos, na maternidade Santa Helena, nos prepararam e meu GO me acompanhou em cada segundo. Um casal de amigos, Rafa e Débora de imediato levaram a máquina fotográfica, roupinhas de prematuro, mantas, fraldas etc… Além do apoio que o meu Rafa recebeu no momento de seu grande amigo que não tem como explicar. Chamamos os pais e irmãos, mesmo não podendo acompanhar o nascimento. Todos nervosos, é claro.

O nascimento

Rafa, paizão nervoso, todo amado, preparou a máquina fotográfica para o momento do parto. A Júlia nasceu. E a melhor parte: ELA CHOROU, E MUITO! E eu pude beijá-la (rapidamente) antes de levarem para UTI NEO. 2.605kg e 46cm. O suspiro que dei é indescritível… o que senti, nem se fala…

A frase do pediatra: “Ainda bem que essa menina chegou agora, porque ia vir uma baita!” Fato! Eu já sentia uma canseira desleal…

Ir para o quarto sem a minha filha… uma sensação de vazio, amor, vazio… Nós (pai e mãe) podíamos visitá-la livremente. E logo que passou a anestesia da cesárea, tomei banho e desci. Os pediatras, enfeirmeiras, outros pais, bebês… a solidariedade na UTI nos surpreendeu. Todos amáveis e acabamos nos apegando também. Cada bebê com sua histórinha e com aquela força incrível de querer viver. Isso é mágico.

Recebi alta e fui para casa, com o coração em prantos. Mas eu e o Rafa só jantamos e logo voltamos para UTI (aquelas picadinhas, sorinho, sondinha, doía tanto…) ficar até não aguentar mais de sono… Uma semana depois de estar internada recebemos a notícia de que Júlia iria subir (para o quarto). Segundo parto. Segunda alegria maior do mundo depois do choro do meu amorzinho.

Eu e o Rafa não sabíamos nem como agir de tanta alegria. Era imensidão. E ele pegou o telefone para ligar e avisar a família quando a médica na mesmo hora faz uma advertência: “Pra quem você está ligando? Só avós né? Agora só parentes de primeiro grau podem visitar, de dois em dois, lavando as mãos com alcool e qualquer indício de gripe ou resfriado, mantenha longe. Ela é prematura, não esqueçam. Visitas só daqui um mês.”

Quem nos ama entendeu tudo, todo o processo desde o início. Recebemos muito apoio, amor, carinho, através de mensagens, ligações, cartinhas e mimos durante essa fase tão difícil e, agora, só de amor.

O meu pós

No meu coração, uma mistura de sentimentos. Assim como profissionais explicaram: “Bem intencionadas, as pessoas vão dizer: “Não liga para isso, seu bebê está aqui forte e saudável e é isso que importa”. Sim, você sabe que é isso o que interessa, mas a alegria pelo bebê não tira o seu direito de estar triste por não ter tido uma experiência emocionante e profunda na hora em que seu filho nasceu e os preparativos que sonhava.

Hoje, estou administrando isso melhor, é difícil, mas quando olho pra minha filha, é tudo pleno, completo. E tudo que eu quero são pessoas do bem ao seu redor. Que sejam positivas, falem coisas boas, que lá no seu sub e inconsciente só entrem palavras de amor, carinho e alegria. A vida já mostrou desde o início, pra ela, que não é fácil. Então, que nós, seres humanos, possamos mostrar o melhor da vida, o amor.

Porque você que é mãe sabe: AMOR MAIOR NÃO HÁ!

E agora vou voltar pra minha Ju porque já fiquei com saudades…

Viram? Mãe tem poder! #fato

%d blogueiros gostam disto: